ATIVIDADE FÍSICA NOS TRANSTORNOS DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Autores

Resumo

O presente estudo se propôs a investigar se a prática de atividade física pode alterar os sintomas de ansiedade e depressão em diferentes populações. Foi realizada uma Revisão Sistemática utilizando como guideline o PRISMA. Para cada base de dados consultada (PubMed, EBSCO e Scielo) foi utilizada uma estratégia de busca com a combinação dos termos: Ansiedade, Depressão e Atividade Física ou Exercício. Foram selecionados os artigos em português ou inglês, publicados no período de janeiro de 2006 a dezembro de 2016. Após eliminação dos artigos duplicados foi realizada uma análise dos títulos e resumos, e na sequência foram selecionados os artigos elegíveis. Foram incluídos nesta revisão 20 artigos. Para facilitar a avaliação os artigos foram divididos de acordo com a população estudada em: Grupo Especial, Grupo População em Geral e Grupo de Portadores de Patologias. As pesquisas com diferentes populações, em diferentes países utilizaram questionários validados para avaliar os sintomas de ansiedade e depressão, a atividade física foi determinada por meio de autorrelato ou foram atividades propostas pelos pesquisadores. Todas as pesquisas, com exceção de duas, apresentaram que a atividade física reduz os sintomas de ansiedade e depressão nos seus desfechos. Os resultados apontam um efeito positivo da prática de atividade física na diminuição dos sintomas de depressão e ansiedade. Desta forma, deve-se incentivar a atividade física regular nas políticas de saúde pública, independentemente da população, ou seja, com ou sem uma determinada patologia ou em grupos especiais como gestantes e idosos.

Downloads

Publicado

2021-09-23

Edição

Seção

Saúde e Biológicas